sexta-feira, 20 de dezembro de 2013

Emparn prevê chuvas até o dia 25 em todo o Estado

O açude Boqueirão, no município de Parelhas, teve um aumento de 30 cm com as chuvas
O serviço de meteorologia da Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte (Emparn) prevê a continuidade das chuvas em todas as regiões do estado até o dia 25, inclusive em Natal, devido à influência de um vórtice ciclônico de ar superior que está atuando no Oceano Atlântico.

Permanece chovendo nesta sexta-feira em alguns municípios do semiárido potiguar. A Emparn registrou chuvas em 37 municípios entre a manhã de ontem e as 7h desta sexta-feira (20). Boa parte dos municípios com incidência de chuvas está na região Oeste potiguar, onde também ocorreram as maiores precipitações.

As maiores chuvas registradas foram em São Francisco do Oeste (136mm), Frutuoso Gomes (110mm), Serrinha dos Pintos (85mm) e Portalegre (72,5mm), todos na mesorregião Oeste. Na região Central, os maiores registros foram em Florânia e em Fernando Pedroza, onde choveu 69mm e 68 mm respectivamente.

As chuvas das últimas horas não têm relação com a estação chuvosa para o semiárido, de acordo com o serviço de meteorologia da Emparn. Em reunião dos meteorologistas realizada ontem (19) em Capina Grande, na Paraíba, os especialistas fizeram a primeira discussão conjunta dos dados disponíveis, de uma série de outras reuniões até o primeiro bimestre de 2014, e antecipam que há indicadores favoráveis à uma boa estação chuvosa no semiárido nordestino em 2014.

O consenso é preliminar, mas já é visto com boa expectativa pelos técnicos. O chefe do serviço de meteorologia da Emparn, Gilmar Bristot, afirma que ainda há muitas dúvidas, mas já é possível observar que os próximos três meses terão condições próximas à normalidade.

Bristot pondera que só haverá uma reposta exata quando forem fechados e analisados os dados de referência de dezembro. “Observo que 2014 será diferente de 2012 e 2013. A situação será melhor. O grupo de pesquisadores ficou bastante animado com relação à temperatura dos oceanos, bem melhor do que em 2012 e 2013. O vento do sudeste está mais fraco e é fator fundamental para boas chuvas”, analisou Gilmar Bristot, em entrevista nessa quinta-feira.

Mesmo diante das boas expectativas, o serviço de meteorologia avalia como necessária mais uma prorrogação no estado de emergência em função da seca, por parte do Governo do Estado.

“Se puder, a prorrogação deve ser feita, porque as chuvas não vão resolver o problema da falta de água e alimentação para o gado de uma hora para outra. Não é indicado parar a situação de emergência”, enfatiza o meteorologista. Especialmente porque o quadro atual indica um cenário otimista, mas ainda não dá para saber se será um ano de chuvas. As próximas reuniões estão previstas para janeiro, em Fortaleza e fevereiro, em Natal.

*Informações do Jornal Tribuna do Norte


Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Criado por: Petrus Estúdio - Projetado por: Pedro Júnior