terça-feira, 16 de abril de 2013

Robinson diz que não há mais tempo para Rosalba reverter desgaste com a população


O vice-governador dissidente Robinson Faria (PSD) disse acreditar que não há tempo hábil para que a governadora Rosalba Ciarlini (DEM) reverta o quadro de desgaste administrativo.
Como exemplo, o líder pessedista apontou a segurança. "Não acredito porque é um governo com uma equipe que não tem planejamento, projetos. Como a gente vai evoluir na segurança com um orçamento que tem aprovado na Assembleia pífio para a segurança? Como a gente vai investir em tecnologia, contratar concursados, fazer uma fronteira digital. O nosso Estado não prioriza uma política pública de segurança. Não vejo que o Estado em um ano e pouco possa fazer um governo que atenda aos anseios populares", disparou.
Para o vice-governador dissidente, o que ocorre é fruto do despreparo da governadora. "A governadora não se preparou para isso. Não tem uma equipe que planeje e temos um governo amador e improvisado", acrescentou.
Questionado se acredita que a aliança entre PMDB e governo tem prazo de validade, Robinson disse não ter elementos para fazer tal análise e que seu diálogo está restrito aos partidos que oficialmente fazem parte da oposição. "Não tenho informação para falar sobre o PMDB. Essa é uma relação entre PMDB e Governo. Cabe a mim dialogar com os partidos de oposição ao DEM que é o PSB, PSDB, PT, PDT e PC do B. Esses partidos unidos poderão formar a chapa vitoriosa de 2014 para Senado e Governo", frisou.
Numa outra pergunta, o vice-governador foi indagado se na opinião dele o governo Rosalba chegará ao fim antes do tempo. Robinson foi mais além: "O governo de Rosalba nunca começou. Não funcionam nem os serviços essenciais. Qual é a marca do governo Rosalba Ciarlini? Qual o projeto para prestar contas? Ela pega carona no aeroporto que não é dela. A Copa do Mundo também já estava acontecendo. A energia eólica é 100% privada. Ela não tem nem um projeto moderno e ousado", concluiu.
Robinson sugere nova postura com a Petrobras
Para o vice-governador dissidente Robinson Faria, o Governo do Estado precisa mudar de estratégia com relação à Petrobras.
Ele disse que vem fazendo esse alerta desde os tempos em que presidia a Assembleia Legislativa, e Wilma de Faria (PSB) era a governadora. "O Governo do Estado há muito tempo não está sabendo dialogar com a Petrobras. Eu até já cobrei isso nos tempos de Wilma para equiparar esse tratamento. O Estado, infelizmente, se submente a esse tratamento de forma verticalizada. É preciso um governo que tenha coragem de chamar a Petrobras para um tratamento de igual para igual", sugeriu.
O argumento principal é o de que é preciso lembrar à estatal do passivo ambiental dela no Rio Grande do Norte. "A Petrobras tem um passivo enorme no Rio Grande do Norte que o Estado não tem coragem de cobrar. A Petrobras dita as regras e o Estado não tem coragem de lhe cobrar o que é devido. O Estado tem força para isso: basta colocar na mesa o passivo ambiental que a Petrobras tem no Estado. Isso nos dará um instrumento de negociação de igual para igual", sugeriu.
Sobre a participação da governadora Rosalba Ciarlini no debate sobre a seca que marcou a posse de Francisco José Júnior na presidência da Fecam, Robinson não poupou críticas. "Achei frustrante a palestra da governadora, que não disse nada de novo com relação ao combate à seca, a não ser jogar tudo para a presidenta Dilma, se eximindo da responsabilidade do Governo do Estado no combate à seca", concluiu.


Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Criado por: Petrus Estúdio - Projetado por: Pedro Júnior