sexta-feira, 11 de janeiro de 2013

Futebol Cinco Estrelas Retratos da Copa: Morte de Neto Maranhão escancara situação precária do jogador brasileiro

Apesar de todo o barulho e polêmica envolvendo patrocínios milionários para os grandes times do país, o fato mais importante do futebol brasileiro é, sem dúvida, a morte do meia Neto Maranhão, do Potiguar de Mossoró.

O atleta sofreu uma parada cardíaca na manhã desta quarta-feira durante o treinamento realizado em um hotel de Mossoró –cidade localizada a 285 km de Natal—uma das sedes da Copa do Mundo de 2014.

O absurdo nessa situação toda é que o time treinava sem um médico no local. Integrantes da comissão técnica abanaram o jogador e tentaram improvisar uma massagem cardíaca sem sucesso. Por fim, o atleta foi levado de carro ao Hospital Regional Tarcísio Maia.

O médico Hélio Jales declarou que o jogador deu entrada no serviço de pronto-socorro já morto. “Chegou já sem vida, mas nós tentamos todas as medidas possíveis de ressuscitação cardiorrespiratória, mas não tivemos êxito, pois ele, infelizmente, já chegou em óbito”, declarou.

O médico não precisou a causa da parada cardíaca e ressaltou que “o esforço físico pode acelerar o infarto, mas ele poderia sim ter alguma cardiopatia prévia.

José Neto, gerente de futebol do Clube declarou que o jogador já havia sofrido um desmaio quando atuava por uma equipe de Santa Catarina. “O Neto, ano passado, estava em uma equipe de Santa Catarina e sofreu um desmaio. Ele fez uma bateria de exames e falou que tinha sido a glicose, que tinha baixado demais. Ele ia realizar outros exames agora. Por incrível que pareça, amanhã (quinta-feira) ele ia realizar o exame dele, mas infelizmente aconteceu isso”, declarou o dirigente.

Outro dado alarmante é que o Potiguar de Mossoró não dispõe de nenhum médico em seu quadro profissional e conta apenas com um urologista como colaborador. Lá os exames são feitos em etapas e não antes do início dos treinamentos como é recomendado.

A realidade do clube do Rio Grande do Norte parece distante dos grandes clubes, no entanto, representa um quadro fiel de boa parte das agremiações do futebol brasileiro e da situação precária do jogador de futebol.


Conforme dados da CBF, 82% dos 30.784 jogadores registrados no país recebem até dois salários mínimos. Além do baixo salário esses atletas ainda convivem com constantes atrásos de pagamento e falta de estrutura nos clubes. Para ilustrar a situação: se gigantes como Vasco e Flamengo atrasam salários imaginem os pequenos clubes?

E se engana quem pensa que a situação do jogador de futebol é só ruim no Brasil. Segundo dados Federação Internacional de Jogadores Profissionais (Fifpro), 30% dos atletas do mundo inteiro convivem com atrasos e o não pagamento de obrigações contratuais.

No meio disso tudo está a Arena Dunas que receberá a Copa do Mundo e terá um custo de R$ 413 milhões. A disputa do Mundial de 2014 no Brasil é marcada pelas cifras milionárias seja na construção dos estádios, na estrutura em torno das arenas e do volume de negócios que deva ser gerada. No Brasil o futebol faz muito dinheiro circular só que pouca gente que entra em campo para jogar tem acesso a ele.

*Texto inaugural da nova seção do “Futebol 5 Estrelas” batizada de “Retratos da Copa”. Nela você não vai ler só sobre estádios e obras, mas vai se informar sobre a situação de gente atingida direta ou indiretamente pelo Mundial de 2014 no Brasil.

*Yahoo


Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Criado por: Petrus Estúdio - Projetado por: Pedro Júnior