quinta-feira, 13 de dezembro de 2012

O rei centenário: 100 Anos de Luiz Gonzaga


Um homem de personalidade forte e um coração do tamanho do Brasil, que mudou a geografia cultural do país ao exaltar o Nordeste e ser imortalizado como Rei do Baião. O Velho Lua foi responsável por elevar a autoestima do imigrante nordestino, que seguiu para o 'sul maravilha' fugindo da seca; devolveu o orgulho e tornou-se porta voz de todo um povo. Hoje é reverenciado de Norte a Sul, e exatamente neste 13 de dezembro comemora-se 100 anos de seu nascimento na distante Exu (PE) há 650km a Oeste do Recife.

A trajetória do famoso filho de Seu Januário, aquele mesmo dos oito baixos, fama de durão, se confunde com a história do forró, é referência obrigatória para se conhecer a essência da música nordestina, e sua relação com o Rio Grande do Norte surpreende pela firmeza dos laços criados ao longo das décadas: Gonzaga fez parcerias, interpretou e teve discos produzidos por potiguares.

Para reconstruir algumas dessas ligações, a TRIBUNA DO NORTE convidou a pesquisadora Leide Câmara, autora do Dicionário da Música do Rio Grande do Norte, para compartilhar alguns de seus achados sobre a presença de Luiz Gonzaga em solo papa-jerimum. Leide, o cantor e compositor Paulo Tito, o sanfoneiro Roberto do Acordeon e o cantor Alvymar Farias participaram da gravação de vídeos (publicados na página eletrônica tribunadonorte.com.br) onde revelam um pouco da experiência que tiveram com a música e com o próprio homenageado. Leide Câmara, inclusive, chegou com alguns discos e livros do seu acervo e adiantou que seu livro "Luiz Gonzaga e a Música Potiguar", já em fase adiantada - lançamento previsto para 2013 - refaz as conexões de Gonzaga com os norte-riograndenses. O vídeo conta ainda com participação de Domiguinhos, hoje o herdeiro maior e único de Luiz Gonzaga.

Tito e Roberto conviveram com Gonzagão, cantaram e contaram causos e curiosidades sobre a intimidade do artista; enquanto Alvymar, que não teve "o prazer de conhecer pessoalmente" o Rei do Baião mas é visto como um dos principais intérpretes do forró gonzagueano da atualidade, comenta a importância da influência do "Mestre" para a música nordestina e brasileira.

O artista plástico, músico e escritor paraense Bené Fontelles, que esteve no Festival Literário da Pipa em novembro, organizou livro e exposição intitulada "O Rei e o Baião" em homenagem ao centenário de Luiz Gonzaga. É dele o texto que ilustra trechos dos vídeos produzidos pela TN.

O VIVER conversou com Fontelles quando o artista estava chegando ao Rio de Janeiro onde irá montar a exposição para temporada no Museu Nacional de Belas Artes - estava vindo de Brasília. "Gonzaga é um dos cinco pilares da música brasileira, uma afirmação inquestionável, ao lado de Pixinguinha, Noel Rosa, Tom Jobim e Dorival Caymmi. Criou toda uma escola, inspirou muita gente. Ele reinventou o Nordeste", avalia Bené. "Ele não trabalhou só pra ele, fez com que o Nordeste ganhasse importância no cenário da cultura brasileira". 


Pagina da Tribuna do Norte


Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Criado por: Petrus Estúdio - Projetado por: Pedro Júnior